Mundo

Acesso a redes sociais com fortes perturbações na Turquia

O acesso a redes sociais e a aplicações de troca de mensagens está hoje a sofrer fortes perturbações na Turquia, país mergulhado em turbulência política com a detenção de dirigentes e deputados pró-curdos.

A plataforma de vigilância TurkeyBlocks referiu, no seu site, ter “detetado restrições no acesso a várias redes sociais, nomeadamente Facebook, Twitter e Youtube, desde as 01:20 de sexta-feira em Istambul (23:20 de quinta-feira em Luanda)”, de acordo com a Agência France Presse (AFP).

Segundo a TurkeyBlocks, que vigia as restrições de acesso à Internet na Turquia, o Twitter, o Facebook e o Youtube deixaram de funcionar, enquanto o acesso ao Whatsapp, Skype e Instagram está limitado. Vários jornalistas da AFP não conseguiram utilizar a aplicação de telemóvel de troca de mensagens instantâneas (Whatsapp).

Questionado pelos jornalistas sobre este assunto, o primeiro-ministro Binali Yildirim não confirmou que as autoridades estejam na origem deste bloqueio, as reconhecem que possam “ter recorrido a este tipo de medidas por razões de segurança”.

“São medidas temporárias. Quando a ameaça tiver desaparecido, tudo voltará à normalidade”, referiu.

A Turquia é frequentemente acusada de restringir o acesso a redes sociais em alturas de tensão, nomeadamente na sequência de atos de violência decorridos naquele país.

A polícia turca deteve na quinta-feira Selahattin Demirtas e Figen Yüksekdag, copresidentes do Partido Democrático dos Povos (HDP, esquerda e pró-curdo), terceira força política no parlamento.

Numa operação simultânea desencadeada em várias províncias, a maioria situadas no sudeste do país, a polícia turca deteve ainda outros deputados — incluindo o ator e guionista Sirri Süreyya Önder, uma figura emblemática da esquerda turca e da causa curda.

No total, 11 deputados do principal partido pró-curdo foram detidos, segundo declarações do Ministério do Interior, citadas pela NTV.

As detenções ocorreram no âmbito de uma investigação sobre terrorismo relacionado com o ilegalizado Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK) — que o poder turco acusa de ter no HDP o seu “braço político” — relativamente à qual ambos os dirigentes foram intimados judicialmente, de acordo com agência noticiosa pró-governamental Anadolu.

Demirtas e Yüksekdag têm sido alvo de diferentes investigações nos últimos meses mas esta foi a primeira vez que foram detidos.

O parlamento turco aprovou em maio uma controversa reforma constitucional que implica o levantamento da imunidade aos deputados com processos judiciais.

Staline Satola

Estudante do curso de Informática e Telecomunicações, faculdade de Engenharia, Univerdade Óscar Ribas. Trabalho com gestão de conteúdo desde 2012! Atualmente procurando aprender mas acerca de CMS (WP).

Artigos relacionados

Close
Close

Adblock Detectado

Considere nos apoiar desabilitando o bloqueador de anúncios
Ir para a barra de ferramentas