Mundo

Depois da morte de Fidel com ficará, Cuba?

O antigo-líder Fidel Castro morreu esta sexta-feira, aos 90 anos.

Houve quem chorasse e quem gritasse de alegria. Agora, encerrado um capítulo da História, reina sobretudo a incerteza.

Como será Cuba sem Castro? Durante décadas o ‘pai da revolução cubana’ continuou a exercer influência e a marcar a identidade coletiva do país. O que muda com a sua morte?

Após 47 anos no poder, a 31 de julho de 2006, Fidel Castro decidiu afastar-se devido a problemas de saúde e delegou a liderança do regime cubano ao irmão Raúl.

A passagem de testemunho seria definitiva dois anos mais tarde. Raúl Castro foi eleito pelos deputados da Assembleia Nacional em 2008 e reeleito em 2013.

Contudo, a idade avançada (85 anos), e o facto de este já ter dito em várias ocasiões que tenciona deixar o cargo em 2018, deixa antever dúvidas quando ao futuro político da ilha na América Central.

Há quem diga que Alejandro Castro Espín, o filho mais novo de Raúl, pode vir um dia a suceder ao pai. Na calha para a liderança de Cuba está também Miguel Díaz-Canel, seu braço direito.

Além disso, já há uma divisão clara no país de regime comunista, entre aqueles que choram a morte de Castro e aqueles que a celebram.

Para o consultor especialista em Caraíbas David Jessop, citado pela Reuters, a morte de Fidel “elimina uma espécie de tribunal de último recurso para os conservadores, ao mesmo tempo que dá esperança de mais rápidas mudanças e reformas aos jovens reformistas no partido”.

No que diz respeito aos Estados Unidos, a fechada Cuba reatou nos últimos anos as relações com este país, pondo fim a mais de cinco décadas de hostilidades, mas a presidência de Donald Trump pode mudar tudo.

Enquanto Obama descreveu Fidel como uma “figura singular”, para Trump este era “um ditador brutal”.

Além disso, o levantamento do embargo económico depende da aprovação do Congresso norte-americano, que sob a administração Trump terá maioria republicana, contrária ao fim do embargo.

Também o relacionamento comercial entre Cuba e Portugal é ainda incipiente. As exportações de Portugal para o país representaram, no ano passado, 0,09% do exportado, sendo o 55.º cliente de Portugal. Por sua vez, Cuba foi o 74.º fornecedor de bens a Portugal, com 0,04% do total das importações portuguesas.

 

Staline Satola

Estudante do curso de Informática e Telecomunicações, faculdade de Engenharia, Univerdade Óscar Ribas. Trabalho com gestão de conteúdo desde 2012! Atualmente procurando aprender mas acerca de CMS (WP).

Artigos relacionados

Close
Close

Adblock Detectado

Considere nos apoiar desabilitando o bloqueador de anúncios
Ir para a barra de ferramentas