Mundo

Uganda: Balanço de combates no oeste aumenta para os 62 mortos

Os combates entre as forças de segurança do Uganda e guardas de um rei tribal acusados de ligações a militantes separatistas causaram 62 mortos, anunciou hoje a polícia, que antes divulgara um balanço de 55 mortos.

“O número de polícias confirmados mortos é de 16, dois dos quais morreram no hospital”, declarou Andrew Felix Kaweesi, um porta-voz da polícia ugandesa, adiantando: “Os guardas reais (mortos) ascendem a 46”.

Os combates começaram no sábado na cidade de Kasese (oeste) e terminaram quando a polícia tomou de assalto no domingo o palácio do rei Charles Wesley Mumbere, soberano do reino de Rwenzururu.

A polícia diz ter sido atacada por guardas reais, que acusa de integrarem uma milícia ligada a um movimento que defende a criação de uma “república de Yiira” na zona fronteiriça entre o oeste do Uganda e o Kivu do Norte na República Democrática do Congo.

O general ugandês Peter Elwelu disse à televisão NTV que aquela milícia tem realizado desde 2014 ataques esporádicos contra o governo e civis.

Segundo Elwelu, o Presidente ugandês, Yoweri Museveni, telefonou ao rei Mumbere para resolver o assunto e na ausência de uma resposta foi decidido o assalto ao palácio.

O rei, que nega qualquer laço com a milícia separatista, foi transferido para Campala, indicou Kaweesi.

O opositor histórico ugandês Kizza Besigye, por seu turno, partilhou na rede social de mensagens curtas Twitter imagens mostrando o que afirma serem dezenas de corpos empilhados diante do palácio real e denunciou “um massacre”.

Staline Satola

Estudante do curso de Informática e Telecomunicações, faculdade de Engenharia, Univerdade Óscar Ribas. Trabalho com gestão de conteúdo desde 2012! Atualmente procurando aprender mas acerca de CMS (WP).

Artigos relacionados

Close
Close

Adblock Detectado

Considere nos apoiar desabilitando o bloqueador de anúncios
Ir para a barra de ferramentas