EUA: Indústria petrolífera espera que Trump cumpra promessa de desregulação

EUA: Indústria petrolífera espera que Trump cumpra promessa de desregulação

8 Dezembro, 2016 0 Por Staline Satola

A indústria petrolífera do Estado do Texas, o maior produtor de petróleo dos EUA, está expectante com as políticas prometidas pelo presidente eleito, Donald Trump, de impulsionar a proteção e desregulação do setor.

O professor do Departamento de engenharia do Petróleo e Geossistemas da Universidade do Texas, Carlos Torres-Verdin, afirmou à Efe que a indústria petrolífera vai ter, de certeza, “mais liberdade de ação nas extrações e explorações nos EUA”, graças à chegada de Trump ao poder.

“Estas medidas têm efeito a longo prazo, pelo que está por ver se são decisões positivas ou negativas para o setor e a sociedade”, adiantou Torres.

Neste sentido, o perito em geofísica e petrofísica apontou que desregular a indústria petrolífera vai gerar mais oferta de hidrocarbonetos num mercado que já se encontra saturado, o que vai ocasionar fortes oscilações nos preços do petróleo e Gass e na procura de equilíbrio entre oferta e procura, interna e externa.

Trump prometeu na campanha eleitoral que iria reverter as regulações federais que, durante o mandado do presidente Barack Obama, foram dirigidas, por exemplo, contra as emissões de gases com efeito de estufa por parte da indústria.

O magnate negou a realidade das alterações climáticas e chegou a declarar nas redes sociais que eram “uma mistificação dos chineses”.

Trump também se declarou disposto a “cancelar” o acordo assinado pelos EUA de combate às alterações climáticos, na cimeira de Paris, realizada em dezembro de 2015, e subscrito por mais de 170 países e assegurou ainda que não financiaria as ações da Organização das Nações Unidas que tivessem a ver com as alterações climáticas.

Neste sentido, Christi Craddick, a nova presidente da agência estatal que regula a indústria de petróleo e gás, celebrou a eleição de Trump, dizendo esperar “mudanças positivas”.

Como justificação, afirmou: “Estamos num momento crucial para o enorme crescimento da energia nos EUA”, acrescentando que espera que Trump trate a indústria petrolífera “como merece” e cumpra as medidas protecionistas prometidas.