Jornalistas proibidos de cobrir julgamento dos supostos golpistas ao PR

Jornalistas proibidos de cobrir julgamento dos supostos golpistas ao PR

9 Dezembro, 2016 0 Por Staline Satola

As sessões de julgamento decorrem à porta fechada e aos jornalistas só será permitido reportar as alegações finais e a leitura do acórdão.

A equipa de juízes da 14ª Secção de crimes comuns do Tribunal Provincial de Luanda, encabeçada por João António Eduardo Agostinho, proibiu, aos jornalistas de acompanhar as audiências e a produção de provas do processo dos 37.

Segundo um oficial do tribunal, o juiz orientou os agentes da ordem para informar aos repórteres que só terão acesso à sala nos dias das alegações finais (o último confronto entre advogados e os representantes do Ministério Público) e do anúncio da sentença.

Foram interrogados os réus Isaac Arão, Luciano Samuel e Rafael Xiama que integram o grupo de 37 cidadãos acusados de crime de tentativa de destituição do Presidente da República, associação de malfeitores e posse ilegal de arma de fogo. Os 60 ex-militares das extintas Forças Armadas de Libertação de Angola (FNLA), antigo berço armado da UNITA, pretendiam invadir três instituições públicas, nomeadamente o Palácio Presidencial, a TPA e a RNA, no dia 31 de janeiro do corrente ano.