Angola

Relatório: Epidemia de febre-amarela matou mais de 370 pessoas num ano

Um ano depois do início da epidemia em Luanda, que acabaria por alastra a todo o país provocando, oficialmente, mais de 370 mortos, ainda não pode dar como terminado o surto da febre-amarela, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS).

O primeiro caso desta epidemia foi conhecido a 05 de dezembro de 2015 e o último, confirmado laboratorialmente, remonta ao final de junho passado, como recordou, em entrevista à Lusa, o representante da OMS em Luanda, Hernando Agudelo.

“Um ano depois, o balanço é positivo, no entanto não podemos ainda declarar que Angola esteja totalmente livre da epidemia, uma vez que ainda decorre o período de implementação da resposta “, explicou o responsável.

Os primeiros casos foram registados em indivíduos com idades entre os 22 e 34 anos, de nacionalidade eritreia, residentes então há aproximadamente oito meses no município de Viana, arredores de Luanda, e que entraram no país supostamente com boletins de vacina falsos (Angola exige vacinação contra febre-amarela).

Desde o início da epidemia em Angola já foram reportados casos em todas as 18 províncias do país e casos de transmissão local da febre-amarela em 12 províncias, naquele que foi o pior surto da doença no país em 30 anos.

Desde dezembro de 2015, esclareceu o Hernando Agudelo, foram registados em todo o país 4.387 casos suspeitos e confirmados pelo laboratório apenas 884, havendo ainda 373 óbitos.

Neste momento, observou o representante da OMS, a situação em Angola está controlada, sem novos casos confirmados, pelo que está “cada vez mais próximo” de dar por concluída a epidemia.

“Não podemos dizer que já não há casos suspeitos, continuam a ser reportados em todo o país”, apontou.

Após várias operações de vacinação em massa da população, Agudelo anunciou que está em preparação uma nova fase, com a chegada ao país, nos primeiros dias de dezembro, de três milhões de doses de vacina.

“Tão logo cheguem as vacinas, dar-se-á ao arranque de mais uma campanha”, garantiu.

Apesar do cenário atual, a OMS defende que as entidades angolanas devem permanecer em alerta, face à presente época chuvosa em Angola – que propicia a multiplicação do mosquito transmissor da doença – e de forma a prevenir o surgimento de novos casos da doença, fundamentalmente no seio das populações que ainda não foram imunizadas.

“Como ainda decorre o período de implementação da resposta é preciso que se redobre a vigilância nessa época da chuva e que se continuem as campanhas de rotina”, enfatizou o representante da OMS.

A transmissão da doença é feita pela picada do mosquito (infetado) “aedes aegypti”, que, segundo a OMS, no início desta epidemia estava presente em algumas zonas de Viana, Luanda, em 100% das casas.

Na primeira fase da campanha de vacinação mais de 18 milhões de pessoas em Angola foram imunizadas contra a doença, mas a OMS chegou a admitir que o combate à epidemia que teve início em Luanda – e que alastrou para a vizinha República Democrática do Congo – levou à rutura dos ?stocks’ internacionais da vacina.

Esta nova fase da vacinação deverá chegar a cerca de três milhões de pessoas em todo país, alcançando a faixa dos 21 milhões, restando 3,5 milhões de pessoas para a cobertura total do país.

Staline Satola

Estudante do curso de Informática e Telecomunicações, faculdade de Engenharia, Univerdade Óscar Ribas. Trabalho com gestão de conteúdo desde 2012! Atualmente procurando aprender mas acerca de CMS (WP).

Artigos relacionados

Close
Close

Adblock Detectado

Considere nos apoiar desabilitando o bloqueador de anúncios
Ir para a barra de ferramentas