Mundo

Morreu Mário Soares, o ex-Presidente da República portuguesa

Morreu ontem, com 92 anos, o ex-Presidente da República portuguesa e o primeiro-ministro dos Negócios Estrangeiros após 25 de Abril de 1974, data em que foi deposta a ditadura em Portugal.

Soares teve um papel relevante nas negociações com os movimentos nacionalistas que exigiam a independência das ex-colónias portuguesas em África.

A morte de Mário Soares é o desfecho esperado do seu internamento desde 13 de Dezembro de 2016 no Hospital da Cruz Vermelha em Lisboa, onde se encontrava em estado crítico.

Mário Soares foi, após a vitória do seu partido socialista nas primeiras eleições livres que se realizaram em Portugal após o 25 de Abril de 1974, primeiro-ministro de Portugal, numa altura em que teve de enfrentar a primeira situação de quase insolvência do país na nova era democrática (outras se seguiram depois, a mais recente em 2011) e Presidente da República por duas vezes.

‘Laico, republicano e socialista’, como um dia se auto definiu, bateu-se tenazmente pela integração de Portugal na União Europeia, apesar de alertado por especialistas para os impactos negativos da integração.

Mas a Mário Soares interessava a dimensão política e sabia que, dentro da então Comunidade Europeia os comunistas, seus grandes adversários logo a seguir ao golpe militar de 25 de Abril, não teriam hipóteses de progredir, a Europa não deixaria.

Curiosamente, das primeiras eleições pós 25 de Abril, ganhas por Soares e os socialistas, o Partido Comunista nem conseguira saír como a segunda força parlamentar, posição que foi conquistada pelos sociais-democratas de Sá Carneiro, que reuniam a antiga ‘ala liberal’ da ditadura.

Soares via na integração europeia o contraponto ‘absolutamente essencial para a descolonização que se revelava inevitável e grandemente traumática’.

Portugal apresentou a sua candidatura à adesão à Comunidade Económica Europeia (CEE), depois transformada em União, a 38 de Março de 1977 e assinou o acordo de pré-adesão a 3 de Dezembro de 1980, tornando-se membro a 1 de Janeiro de 1986.

Foi posteriormente, em Janeiro de 2002, com Durão Barroso à frente do governo português e Cavaco Silva na presidência da República, que Portugal passou a ser membro do clube do euro.

A intervenção de Mário Soares na descolonização foi polémica. Quando chegou ao primeiro encontro de Lusaka para negociar com a Frelimo, que combatia o exército português em Moçambique e já controlava uma parte do país do Índico, Soares deu um abraço fotogénico a Samora Machel, o célebre ‘abraço de Lusaka’, mas quando as duas delegações se sentaram à mesa e a Frelimo se dispôs a analisar a posição das forças militares no terreno com vista à eventual negociação de um cessar-fogo, Soares confessou que não sabia onde se encontravam exactamente as tropas portuguesas e que não vinha mandatado para esse tipo de negociação.

Embora sempre tenha opinado sobre África, o continente era território que mal conhecia, estava mais voltado para a Europa. Foi o líder do primeiro governo constitucional da nova república saída de 25 de Abril, mas terminou a sua primeira experiência governativa com a popularidade muito em baixo.

Tivera que pedir auxílio ao Fundo Monetário Internacional (FMI) face ao estado calamitoso da economia portuguesa e foi obrigado a dar rédea solta ao homem que conduziu o programa de recuperação das finanças públicas, o primeiro programa de austeridade experimentado pela nova república democrática, o seu ministro das Finanças, Hernâni Lopes, um economista rigoroso que não transigia com facilitismos.

Mário Soares nasceu a 7 de Dezembro de 1924 em Lisboa, licenciou-se em Ciências Económicas e Filosóficas e, depois, também em Direito.

Filho de um republicano opositor de Salazar, o fundador do Colégio Moderno, João Soares, Mário Soares desde cedo se embrenhou na política, combatendo a ditadura de Salazar.

Participou na candidatura do General Humberto Delgado à presidência da república portuguesa, uma eleição viciada pelo regime a favor do seu candidato, acabando Humberto Delgado por ser assassinado pela polícia política do regime, a PIDE. Esta deteve Mário Soares por 12 vezes.

Em 1968 foi preso e deportado sem julgamento para São Tomé.

Havia já fundado o Partido Socialista português na Alemanha quando o 25 de Abril de 1974 o apanha em França.

Pouco tempo depois desembarcava na gare lisboeta de Santa Apolónia, onde recebeu um acolhimento eufórico e, dois dias mais tarde, voltou à gare da zona oriental de Lisboa para receber outro anti-fachista: o secretário-geral do Partido Comunista português, Álvaro Cunhal.

Na altura saudou Cunhal como ‘um grande resistente’, mas as relações entre os dois não levaram muito tempo a azedar, entrando Portugal num período conturbado de cujo desfecho Mário Soares é o grande vencedor.

Procurou que Portugal se tornasse verdadeiramente europeu, deixando o seu papel historicamente periférico, e marcou o Séc. XX português. Três vezes primeiro-ministro e duas vezes Presidente da República, para além de ministro dos Negócios Estrangeiros, o seu primeiro cargo governativo, Mário Soares é visto, politicamente, como a maior referência da segunda metade do século XX português mas, curiosamente, não foi o político que mais tempo ocupou os cargos mais elevados Foi Cavaco Silva.

Staline Satola

Estudante do curso de Informática e Telecomunicações, faculdade de Engenharia, Univerdade Óscar Ribas. Trabalho com gestão de conteúdo desde 2012! Atualmente procurando aprender mas acerca de CMS (WP).

Artigos relacionados

Close
Close

Adblock Detectado

Considere nos apoiar desabilitando o bloqueador de anúncios
Ir para a barra de ferramentas