Dicas!Saúde

Acha mesmo que está a usar 'só' azeite? Olhe para o rótulo

A leitura atenta do rótulo assume-se como um aspeto cada vez mais importante na rotina diária. Veja como alguns alimentos podem enganar.

Já não é novidade que muitos alimentos contêm químicos e aditivos a mais. Estes alimentos, conhecidos como processados, marcam presença da dieta diária e assumem-se como os principais vilões da saúde, uma vez que o seu consumo é muitas vezes desenfreado.

A leitura dos rótulos assume-se, atualmente, como um dos aspetos mais importantes na rotina diária e como uma das formas mais eficazes de evitar males maiores associados à alimentação. Nomes como benzoato de sódio, potássio bromato ou nitrato de sódio são apenas alguns exemplos de ‘códigos’ usados na rotulagem e que indicam que o alimento em causa pode não ser tão benéfico para a saúde como parece.

Muitos dos alimentos assumem-se como ‘saudável’, ‘sem açúcar’, ‘isento de matéria gorda’ e ‘natural’ ou ‘100%’. Mas será que são fiéis ao que dizem ser? Não. Muitos deles estão longe disso e prova são os exemplos dados pelo Buena Vida do El País, que pegou em alimentos aleatórios e mostrou como estes podem enganar até mesmo os mais atentos.

Como explica a médica Marta Miguel, do Instituto de Investigação em Ciências da Alimentação, “existem coisas invisíveis, que não se percebem, mas que o alimento leva”. No caso do azeite, diz, o facto de dizer se é ‘virgem’ ou ‘extra virgem’ pode ser a melhor forma de escolher a opção mais saudável, pois os azeites que apenas se intitulam de azeite são obtidos diretamente de azeitonas, mas alvo de procedimentos mecânicos, que podem levar a algum tipo de refinamento ou junção de outros ingredientes.

Em caso de dúvida, diz a especialista, nada como avaliar os níveis de gordura saturada, que devem ser “muito poucos” no caso dos azeites mais saudáveis e que não foram alvo de processamento.

Atenção também ao chocolate

Já no que diz respeito ao chocolate, revela a especialista, até pode aparecer o cacau como primeiro ingrediente, mas o facto de o açúcar aparecer à frente (e, por isso, em maior quantidade) da pasta de cacau é um motivo de alerta.

É também de evitar (ou até mesmo de banir) os alimentos cujos níveis de açúcar são quase a totalidade dos hidratos de carbono presentes. Ou seja, deve-se evitar aquele tipo de alimentos com valores como “hidratos de carbono: 23,2 gramas, dos quais açúcares: 22,8 gramas”, como exemplifica o jornal espanhol.

Esta comparação deve ser vista ainda no que diz respeito à gordura. Se um alimento tem, por exemplo, 50 gramas de gordura, das quais mais de metade é saturada, então, deve optar-se por outro alimento, pois este apenas oferece as gorduras que em nada são benéficas para a saúde.

Por fim, não é apenas aos nomes que deve prestar atenção. A quantidade de ingredientes presentes é também um sinal de alerta, sendo que quantos mais… pior. Decifrar os alimentos processados é fundamental para se conseguir ter uma alimentação cuidada e saudável, pois nem todas as versões industrializadas ou alvo de algum tipo de processo na confeção são más – embora as versões naturais sejam sempre mais ‘amigas’ da saúde.

Staline Satola

Estudante do curso de Informática e Telecomunicações, faculdade de Engenharia, Univerdade Óscar Ribas. Trabalho com gestão de conteúdo desde 2012! Atualmente procurando aprender mas acerca de CMS (WP).

Artigos relacionados

Veja também!

Close
Close

Adblock Detectado

Considere nos apoiar desabilitando o bloqueador de anúncios
Ir para a barra de ferramentas