Cadernos de eleitorais para eleições angolanas preparados depois de abril

Cadernos de eleitorais para eleições angolanas preparados depois de abril

8 Março, 2017 0 Por Staline Satola

A Comissão Nacional Eleitoral (CNE) de Angola inicia em abril a preparação dos cadernos eleitorais para as eleições gerais, processo que só arranca após a receção do Ficheiro Informático dos Cidadãos Maiores com o número total de eleitores.

A informação foi hoje avançada pela porta-voz da CNE, Júlia Ferreira, no final da reunião que aprovou o programa do Encontro Metodológico com os seus órgãos internos sobre as eleições gerais de 2017, que deverão acontecer em agosto, quando já estão registados oficialmente, até ao momento, mais de oito milhões de eleitores.

A porta-voz da CNE referiu que a conceção dos cadernos eleitorais inicia-se depois de formalmente entregue pelo Ministério da Administração do Território o relatório de todas as operações do registo eleitoral, ocorrida em duas fases, a primeira de agosto a dezembro e a segunda, de janeiro até o final de março.

Júlia Ferreira salientou, ainda, que um Encontro Metodológico vai ser realizado, em Luanda, quinta e sexta-feira da próxima semana, com o objetivo de promover uma maior disseminação do plano de atividades e cronograma institucional de execução de tarefas da CNE.

A responsável sublinhou que o encontro visa, essencialmente, capacitar os seus órgãos locais do ponto de vista técnico e jurídico.

“Temos este objetivo, essencialmente, porque muito recentemente empossámos os presidentes e os membros dos nossos órgãos locais. Muitos deles são novos, é a primeira vez que estão a ingressar no nosso órgão e, por este motivo, também há necessidade de eles estarem melhor habilitados com conhecimentos, orientações que lhes permita efetivamente cumprir cabalmente com as suas atribuições”, disse.

Outra intenção do encontro prende-se, ainda, com a necessidade de também se transmitir orientações estratégicas, do ponto de vista das metodologias que devem ser empregues para que os órgãos tenham atempadamente “as fórmulas, as informações necessárias, para cumprirem com êxito as suas tarefas”.

“A perspetiva é fazermos formação, capacitação técnica, jurídica, formação legal e, ao mesmo tempo, também transmitirmos essas instruções, orientações metodológicas sobre a forma como eles devem atuar, como vão operar e trabalhar”, realçou.