Tecnologia

Discos rígidos feitos de ADN?

Num mundo cada vez mais digital, onde a troca de informação e o tráfego de dados é cada vez maior, as tecnologias de armazenamento que hoje existem começa a ficar sem capacidade de dar vazão a tanta informação.

Um obstáculo igual a muitos que o mundo da ciência foi encontrando ao longo dos tempos, e como tal, um obstáculo que eles poderão conseguir ultrapassar no futuro.

Um grupo de pesquisadores da Universidade da Colômbia e do New York Genome Center, juntaram-se para fazer um estudo sobre armazenar dados, como um sistema operacional de computador inteiro, um filme francês de 1895, um cartão-presente da Amazon e outros arquivos, num disco rígido natural, o ADN. Eles escreveram sobre isto em que disseram que conseguiram recuperar estes dados sem qualquer tipo de erro.

É verdade, que se pensarmos bem, não é nenhuma surpresa, pois empresas como a Microsoft já vêm olhando para as possíveis aplicações do ADN como uma opção de armazenamento.

O ADN é o “dispositivo” de armazenamento mais pequeno que o tradicional. Isto significa que uma só grama de ADN tem a capacidade de reter 215.000 vezes mais dados que um disco rígido de um terabyte. Para além de ser extremamente durável.

É verdade que ainda estamos a descobrir as potencialidades e capacidades do ADN, mas se assim for, no futuro teremos um novo tipo de disco rígido com capacidades quase ilimitadas: o ADN.

Mas não há bela sem senão, o ADN tem uma grande desvantagem, pelo menos por agora.

Ele decompõe-se logo após o sequencialmente, ou seja, perdemos informações quanto mais vezes ela for lida.

Outra questão que se coloca é que, tal como o Netflix quando envia informações, usa códigos fonte, que compartimentam os dados em pequenos pacotes, e caso alguns desses pacotes se percam, o Netflix consegue reconstruir o fluxo inteiro, também o ADN tem um problema semelhante. Ou seja, neste momento, os cientistas ainda só conseguiram criar e sequenciar a informação em pequenos lotes, o que por si só significa que se tivermos grandes quantidades de informação, esta terá de ser partida e alguns deles podem-se perder.

Mas não é preciso entrar em pânico, pois felizmente, o ADN é fácil de ser replicado. Portanto, agora é só uma questão de esperarmos e ver o que o futuro nos reserva.

Staline Satola

Estudante do curso de Informática e Telecomunicações, faculdade de Engenharia, Univerdade Óscar Ribas. Trabalho com gestão de conteúdo desde 2012! Atualmente procurando aprender mas acerca de CMS (WP).

Artigos relacionados

Close
Close

Adblock Detectado

Considere nos apoiar desabilitando o bloqueador de anúncios
Ir para a barra de ferramentas