África

RDC: Violência mostra Kabila ‘determinado a permanecer no poder’

Grupos da sociedade civil e ativistas de direitos humanos na República Democrática do Congo ( RDC ) estão pedindo uma pressão contínua sobre o presidente do país, depois que os protestos exigindo que Joseph Kabila demitissem se tornaram mortíferos nesta semana.

Pelo menos sete pessoas morreram em todo o país no domingo, depois que as forças de segurança disseram que dispararam gás lacrimogêneo, balas de borracha e munições ao vivo em manifestantes na capital, Kinshasa e outras cidades.

Organizados pela igreja católica, os protestos pediram que Kabila se afastasse e permitiu novas eleições no Congo – uma demanda no centro de um acordo assinado pelo presidente e políticos da oposição em 2016.

Várias pessoas também foram feridas na violência e as forças de segurança prenderam pelo menos 120 pessoas, incluindo funcionários religiosos.

Hubert Tshiswaka , advogado e diretor do Instituto para Pesquisa de Direitos Humanos em Lubumbashi, a segunda maior cidade do Congo, acusou o governo de desdobrar as forças de segurança com a intenção de disparar contra os manifestantes.

“É deplorável e irresponsável por parte do governo e do chefe de Estado”, disse Tshiswaka à Al Jazeera.

Lambert Mende, porta-voz do governo do Congo, disse que “criminosos” procuraram infiltrar-se nos protestos.

“Nós temos informações de nossos serviços de inteligência indicando que os criminosos iriam se infiltrar nos protestos e aproveitar … Estamos aguardando os resultados de uma investigação”, disse Mende ao TV5 Monde da França em uma entrevista por telefone na segunda-feira.

“Lamentamos profundamente que tenha havido perda de vidas, incluindo um policial”, disse Mende.

Mas Tshiswaka disse que a violência mortal “vem dentro da política do governo para reprimir todos os protestos pacíficos.

“A reação deveria ter sido proporcional. Se você tem pessoas de mão nua na sua frente … você não pode executá-las, em branco, porque você suspeita que as pessoas com armas estão entre elas”, disse ele.

Fonte
Al Jazeera

Staline Satola

Estudante do curso de Informática e Telecomunicações, faculdade de Engenharia, Univerdade Óscar Ribas. Trabalho com gestão de conteúdo desde 2012! Atualmente procurando aprender mas acerca de CMS (WP).

Artigos relacionados

Close
Close

Adblock Detectado

Considere nos apoiar desabilitando o bloqueador de anúncios
Ir para a barra de ferramentas