Angola

O caso dos 500 milhões: Ministério das Finanças compromete José Eduardo dos Santos

O Gabinete de Comunicação Institucional do Ministério das Finanças emitiu um comunicado de imprensa, datado de 9 Abril de 2018, sobre o chamado “caso dos 500 milhões de dólares”. Este caso já foi descrito no Maka Angola exaustivamente, pelo que não se vai aqui repetir os seus contornos (ver aqui e aqui). Relativamente aos factos, o comunicado confirma a informação que há meses Rafael Marques já tinha partilhado com os seus leitores, e nesse âmbito não apresenta relevância. A novidade é que se recuperaram os 500 milhões de dólares, o que tem consequências criminais limitadas (ver final deste texto).

O comunicado é importante em dois outros aspectos: um aspecto formal trapalhão e um aspecto substantivo, que é o mais importante.

Comecemos pelo aspecto formal. Em rigor, o Ministério das Finanças, depois de ter participado determinados factos à Procuradoria-Geral da República, não se devia pronunciar sobre eles em detalhe. Deveria fazer um comunicado genérico a confirmar que altas individualidades estavam envolvidas num esquema de transferência de dinheiro para a Grã-Bretanha, que o assunto tinha sido objecto de participação criminal à PGR e que o Reino Unido já tinha apreendido e devolvido o dinheiro a Angola. Depois, a PGR, oportuna e rapidamente, faria uma acusação que seria pública, e na qual contaria toda a história. Por agora, a PGR deveria publicar uma nota com a lista dos arguidos e dos crimes pelos quais estão a ser investigados.

Percebe-se claramente, por este comunicado e pelas trapalhadas em que esteve envolvido o general Nunda, que os variados órgãos públicos angolanos não estão habituados a estes casos contra arguidos importantes. Se repararmos, a maior parte das pessoas que ocupam as funções são as mesmas do passado, e o que lhes tinham ensinado era a roubar milionariamente (ou a fechar os olhos a esses roubos), não a perseguir ladrões milionários; por isso, haverá esta confusão de papéis e procedimentos, e uma aplicação atabalhoada da lei.

Todavia, o mais importante do comunicado do Ministério das Finanças não são os aspectos formais, mas o ataque claro e demolidor que faz ao papel de José Eduardo dos Santos em toda a moscambilha, não o citando, mas claramente apontando a sua negligência ou intenção criminosa.

Vejamos os parágrafos mais importantes.

Num primeiro momento, o comunicado de imprensa afirma, no ponto n.º 1: “No decorrer do ano de 2017, antes da realização das eleições gerais que tiveram lugar em Agosto…” Esta afirmação situa temporalmente os factos no tempo de José Eduardo dos Santos e atribui-lhe a responsabilidade de avançar com a operação: “Jorge Gaudens Pontes… auxiliado por José Filomeno dos Santos… propôs ao Executivo” [José Eduardo dos Santos]. Aliás, o comunicado explica que o Executivo pagou, em Julho e Agosto de 2017, 24,8 milhões de euros e 500 milhões de dólares (ponto n.º 3 do comunicado). Tudo isto foi feito sob a presidência de José Eduardo dos Santos.

De seguida, o comunicado esclarece que existiu um processo de due dilligence (verificação adequada) sobre as entidades que receberam o dinheiro, indicando a sua falta de credibilidade e impondo prudência (ponto n.º 4). Embora não resulte claro do texto, parece inferir-se, em conjugação com o escrito no ponto n.º 3, que esta due dilligence terá sido feita ainda no tempo de José Eduardo dos Santos e obviamente ignorada por este.

E temos de sublinhar este ponto. Se a due dilligence feita pelo Ministério das Finanças e pelo escritório de advogados por si contratados, “[que] concluiu […] que a empresa PerfectBit, detida pelo cidadão brasileiro Samuel Barbosa, era uma empresa dormente, ou seja, um veículo sem qualquer histórico em operações similares” (ponto n.º 3, no fim), teve lugar durante o mandato de José Eduardo dos Santos, então é evidente que este ignorou tais factos, e portanto foi altamente cooperante com a transferência de 500 milhões de dólares para entidades inexistentes.

O comunicado, além disso, faz o contraponto à actuação de José Eduardo dos Santos, explicitando a atitude de João Lourenço “em Outubro de 2017, por orientação do actual Titular do Poder Executivo” (ponto n.º 4). José Eduardo dos Santos mandou transferir, João Lourenço quis travar a transferência e recuperar o dinheiro.

E a estocada final é a insistência na “recuperação de 24,85 milhões de euros, indevidamente transferidos para a conta da empresa Mais Financial Services, resultante de uma prestação de serviços não realizada” (ponto n.º 7). Quer isto dizer que o comunicado reconhece que José Eduardo mandou transferir vários milhões de dólares por uma prestação de serviços que nunca aconteceu.

Pelo exposto, facilmente se vê que o comunicado deixa o nome de José Eduardo dos Santos de fora, mas coloca-o implicitamente no meio de toda a actuação criminosa, distinguindo os factos antes e após a sua cessação de mandato, referindo a efectivação de uma due dilligence que só tem resultados depois da sua saída, contrapondo o seu comportamento ao de João Lourenço e, finalmente, reconhecendo que ele mandou pagar 24,8 milhões de dólares por serviços não prestados.

É demasiado gritante deixar José Eduardo dos Santos de fora de uma operação em que ele mandou desde o primeiro até ao último minuto. Aguardam-se as consequências jurídico-penais deste comunicado para o ex-presidente de Angola.

Uma nota final para uma possível questão de foro criminal: os 500 milhões de dólares já foram recuperados pelo governo angolano, graças à atitude diligente e solidária do Reino Unido.

A recuperação do montante, todavia, não faz desaparecer o crime. Só poderia ter esse efeito, eventualmente, se o dinheiro tivesse sido devolvido de forma voluntária. Não tendo tal sucedido, entende-se que, a partir do momento em que a transferência foi feita, o crime foi consumado. Acontece que o seu produto foi recuperado. Apresentando um exemplo simples: é como se um ladrão tivesse furtado um automóvel, mais tarde o ladrão é preso e o automóvel é descoberto na sua garagem. O crime foi consumado, a única questão é que o produto do crime foi recuperado, o que pode ser um facto a ponderar na concretização da medida da pena, mas por si só não extingue a existência de crime.

Contudo, repete-se e sublinha-se, o importante é averiguar a responsabilidade criminal de José Eduardo dos Santos nesta tramóia.

Fonte
MA

Staline Satola

Estudante do curso de Informática e Telecomunicações, faculdade de Engenharia, Univerdade Óscar Ribas. Trabalho com gestão de conteúdo desde 2012! Atualmente procurando aprender mas acerca de CMS (WP).

Artigos relacionados

Close
Close

Adblock Detectado

Considere nos apoiar desabilitando o bloqueador de anúncios
Ir para a barra de ferramentas